Redes de EI e EF

Recomposição das aprendizagens em São Francisco de Paula (RS) 

Boas práticasCurrículos de EI e EFEmbaixadores da BNCC

Simone Mumbach, técnica da secretaria de educação de São Francisco de Paula, no Rio Grande do Sul, e embaixadora da BNCC, conta que a rede municipal tem se dedicado a refletir e discutir sobre como garantir as aprendizagens das turmas. A tarefa não tem sido fácil: elaboração de atividades remotas, retorno dos estudantes para as aulas presenciais e cumprimento de protocolos sanitários exigem tempo e dedicação da secretaria de educação. Ao mesmo tempo, vê-se grande engajamento dos professores e gestores para garantir os direitos de aprendizagem e desenvolvimento dos estudantes. “Os profissionais da educação notaram que a maior necessidade da rede seria lidar com as perdas de aprendizagem causadas pela pandemia em cada escola. Isso gerou um grande movimento sobre quais deveriam ser as ações para mudar este quadro”, diz Simone. 

Foi criado então um projeto de discussão coletiva. A secretaria dividiu professores em grupos compostos por educadores que lecionam para as mesmas etapas – educação infantil, anos iniciais, anos finais do ensino fundamental – para identificar estratégias de recomposição da aprendizagem. “Com estudo e diálogo constante, fica mais fácil encontrar soluções que pareciam não ser possíveis”, comenta a educadora.

O primeiro passo de engajamento das equipes foi dado. Agora estão previstas avaliações diagnósticas para identificar o que os estudantes já sabem e o que precisa ser aprofundado. 

 

Plano de Ação

O plano de ação de Simone tem como objetivo constituir uma comunidade de professores para refletir, pesquisar e discutir sobre a recomposição das aprendizagens dos estudantes. Veja as etapas organizadas pela embaixadora:

  1. Criação de uma comunidade de professores que trabalhem em uma mesma etapa para refletir sobre recuperação da aprendizagem e partilhar experiências;
  2. Divulgação e organização das inscrições dos educadores que queiram fazer parte dos grupos; 
  3. Estruturação da temática dos quatro encontros: no primeiro, de que forma mapear a necessidade de recuperação das aprendizagens; no segundo, estudo e sistematização de informações levantadas; no terceiro e no quarto, análise das ações executadas e avaliação da necessidade de reorganização do planejamento;
  4. Fechamento do semestre, com retomada das necessidades de recuperação e análise dos resultados.

 

Veja também: 

Reportagem sobre o trabalho da embaixadora

Indicadores de EI/EF do Rio Grande do Sul

Indicadores de EI/EF de São Francisco de Paula

Experiência de uma professora alfabetizadora