Redes de EI e EF

Formação dos educadores de Goiânia (GO): ações permanentes e adequadas ao contexto

Boas práticasEmbaixadores da BNCCFormação de professores de EI e EF

A educação na rede municipal em Goiânia tem números grandes: são 372 escolas de Ensino Fundamental, unidades de Educação Infantil e outras instituições, cerca de 108 mil estudantes e 7.500 professores. Para que a rede possa lidar com os desafios recorrentes e estar preparada para diferentes contextos, a equipe da secretaria de educação prioriza a formação dos profissionais da educação. 

Quem nos conta sobre essa realidade é Cíntia Camilo, técnica da secretaria municipal de Educação de Goiânia, desde 2002 e parte da equipe responsável pela formação de professores da rede. Ela também é uma das participantes do Programa de Embaixadores da BNCC (saiba mais sobre essa iniciativa do Movimento pela Base no final da página).

Seu percurso na secretaria da capital goiana permite algumas reflexões: “Notamos que as formações muito curtas ou pontuais não surtem tanto efeito. Por isso, os encontros, principalmente com os diretores e coordenadores pedagógicos, são permanentes e contínuos, aprofundam conhecimentos daqueles que estão há mais tempo na rede e ao mesmo tempo preparam os novos profissionais que estão chegando às unidades educacionais de Goiânia e precisam de apoio. Procuramos fazer com que a teoria esteja sempre alinhada à prática, e que haja reflexão e sistematização dos aprendizados”, conta (na imagem acima, um dos encontros virtuais realizados com os coordenadores pedagógicos da rede)

O que direciona o processo formativo da rede são a Base Nacional Comum Curricular (a BNCC, homologada em 2017), o “Documento Curricular para Goiás -Ampliado” para a Educação Fundamental” (aprovado em 2018, elaborado em regime de colaboração entre estado e municípios, com grande protagonismo da equipe da secretaria da capital, com uma versão ampliada em 2020) e os documentos curriculares municipais para a Educação Infantil e a Educação de Adolescentes, Jovens e Adultos (elaborados em 2019).

“Mesmo durante a pandemia, e ainda antes dela, fizemos grandes esforços para que os professores e gestores escolares tivessem sempre como ponto de partida de seus planejamentos os documentos curriculares e as orientações previstas na BNCC. Sabendo, por exemplo, que relacionar as habilidades e competências previstas no currículo com as atividades feitas para os estudantes exige mudanças profundas na forma de trabalho do educador, formações e discussões sobre os elementos constituintes de um planejamento procuraram apoiar as equipes”, conta Cintia.

Temas e formatos das formações durante a pandemia

Em 2020, quando a pandemia obrigou o fechamento das escolas, a secretaria fez formações online sobre vários temas, apoiando os educadores a planejar as propostas enviadas aos estudantes e tendo como foco o desenvolvimento profissional para o uso das tecnologias. Houve ainda 13.710 vagas de cursos para diferentes públicos – educadores, técnicos das secretarias, coordenadores pedagógicos, coordenadores de turno – sobre repertório cultural na educação infantil, alfabetização na Educação de Adolescentes, Jovens e Adultos (Eja), metodologias ativas e ensino remoto, entre outros.

O trabalho do professor, das escolas e da secretaria mudou muito no último ano, e a secretaria sabe que a idade dos estudantes e o acesso à tecnologia também interferem nas ações: “O professor precisou criar muitas estratégias. Há casos em que é possível usar WhatsApp para comunicação entre famílias e educadores, ou contar com o acesso ao Ambiente Virtual de Aprendizagem Híbrida (AVAH), a plataforma em que temos roteiros de estudos semanais e vídeo-aulas gravadas pelos professores da rede. Para aqueles estudantes que não têm acesso às tecnologias, as atividades são enviadas de forma impressa e há plantões de dúvidas nas escolas, além da transmissão do programa Conexão Escola em canais de TV aberta. Em relação à Educação Infantil, o formato das propostas precisa garantir o envolvimento dos familiares ou adultos responsáveis para que apoiem as crianças em seu desenvolvimento”, conta Cintia.

As ações formativas continuaram em 2021. Foram oferecidas 1.740 vagas para cursos online – sempre baseados nos documentos curriculares. Os temas foram alfabetização no ensino remoto (voltado para professores), gestão administrativa e pedagógica (para diretores), saberes no contexto atual (direcionado à coordenação pedagógica) e implementação do currículo na Secretaria Municipal de Educação (para profissionais que fazem o apoio entre as secretarias e as unidades educacionais). Também neste ano houve 3.780 inscritos para a Jornada AVAH com cursos de 2 a 3 horas de duração, agrupados por Educação Infantil, Ciclo da Infância, Ciclo da Adolescência e Eaja, em que os participantes foram divididos em 150 turmas.  

Cintia diz que existe grande preocupação da secretaria em dar voz aos profissionais da educação durante as formações, mostrando que todos têm o que contribuir, ensinar e aprender com seus pares: professores, diretores e coordenadores pedagógicos com experiências pedagógicas significativas e alinhadas aos documentos curriculares começaram a compartilhá-las aos demais. Os resultados das formações e da estrutura tecnológica oferecidas são vistos pouco a pouco: “Apesar de todas as dificuldades intensificadas com a pandemia, consideramos que o nosso currículo esteja sendo implementado de forma satisfatória pela rede”, diz.

 

Sobre os Embaixadores da BNCC 

Os Embaixadores da BNCC são um grupo de técnicos de secretarias de Educação municipais e estaduais de todo país com larga experiência e comprometidos com a implementação. A iniciativa, apoiada pelo Movimento pela Base, tem dois objetivos principais: 

  • Valorizar o trabalho realizado por técnicos de secretarias municipais e estaduais de educação relacionado à implementação da BNCC e dos currículos, dando visibilidade às boas práticas de gestão;
  • Proporcionar a formação aos profissionais, oferecendo palestras, mentoria e momento para troca de experiências para aprofundamento dos conhecimentos.

Para ver mais informações sobre a iniciativa e conhecer melhor o trabalho de cada um deles, clique neste link.