Em agosto de 2021, o número de municípios com currículos alinhados à Base Nacional Comum Curricular (BNCC) ultrapassou 5 mil. Chegamos a 92% dos 5.568 municípios do país. Os dados são coletados semanalmente pelo Movimento pela Base com apoio de Undime, Consed, Foncede, Uncme, conselhos municipais de educação, secretarias municipais e estaduais de educação, e publicados no Observatório da Implementação da BNCC e do Novo Ensino Médio. “Vemos que a BNCC está de fato chegando em todas as regiões e localidades, e isso é um marco para o país! Dirigentes e técnicos das secretarias municipais e estaduais de educação, com liderança da Undime e do Consed, além dos conselhos municipais e estaduais, Uncme e Foncede, têm papel essencial nessa conquista”, diz Alice Ribeiro, diretora de articulação do Movimento pela Base. 

A homologação da BNCC para a Educação Infantil e o Ensino Fundamental ocorreu em dezembro de 2017, depois de dois anos de escrita, com participação da sociedade. De lá para cá, estados e municípios construíram seus referenciais curriculares em regime de colaboração e cada rede municipal pode fazer adaptações a seus contextos. A BNCC e os currículos também direcionam adequações das avaliações, materiais didáticos e formação de professores.  

De acordo com o monitoramento feito pelo Movimento pela Base, em março de 2020 eram 1.463 currículos municipais de Educação Infantil e Ensino Fundamental alinhados à BNCC. Neste último ano e meio, enquanto a pandemia assolava o país e exigia tanto das redes de ensino, o crescimento de currículos homologados continuou a aumentar e atinge os mais de 5 mil atuais municípios. 

Luiz Miguel Martins Garcia, presidente da Undime, comenta: “Neste momento de pandemia, ainda bem que temos a BNCC e os currículos locais. Os documentos estão garantindo o direito de aprendizagem dos estudantes e servindo como referência para a reorganização curricular e o planejamento para oferta de atividades para os estudantes neste momento e nos próximos anos. A Base precisa agora se consolidar na escola.”

Pesquisa realizada pelo CAEd (Centro de Políticas Públicas e Avaliação da Educação) da Universidade Federal de Juiz de Fora/MG, com mais de 24 mil profissionais da educação mostra também que a BNCC está chegando nas escolas. Nesta reportagem você encontra os resultados da primeira fase da pesquisa, que incluem os seguintes números: 

– 79% dos professores têm percepção positiva dos efeitos da BNCC sobre seu comportamento profissional

87% dos diretores têm percepção positiva sobre o impacto da BNCC na gestão educacional na escola; esse índice é alto também entre técnicos: nas secretarias estaduais, 86% percebem mudanças e, nas municipais, 88%.