Básico da BNCC

“O que a BNCC muda na prática?” – o relato de uma oficina com professores

Boas práticasMateriais de apoio

Atire o primeiro marcador de página quem nunca terminou um parágrafo e pensou “o que eu acabei de ler?”. 

Nas escutas que realizamos com professores desde que a BNCC foi aprovada, uma queixa frequente é que não é simples entender os conceitos que o documento traz. E mais difícil ainda é colocá-lo em prática. “É competência ou habilidade?”, “Como trabalhar os Campos de experiência?”, “Qual é a diferença entre currículo e Base?” – essas são algumas das dúvidas mais comuns que acompanham prefessores, gestores escolares, técnicos de secretarias.

Por isso, desde que a BNCC foi aprovada, nos dedicamos a produzir e disseminar materiais, nossos e de nossos parceiros, que apoiem o trabalho dos educadores. E nada melhor do que começar ouvindo quem coloca a BNCC em prática todos os dias: professores e professoras.

Entre os dias 22 e 24 de janeiro, reunimos com 24 educadores em São Paulo. O objetivo foi construir um documento feito de professor para professor, para auxiliar no entendimento da BNCC e pensar em práticas que ajudem a colocar o documento em prática! 

A inspiração para a construção do material que começou a ser eleborado nas oficinas é o “Parents’ Guide to Student Success”, que foi criado por uma ONG nos Estados Unidos para facilitar o entendimento dos pais sobre o que os filhos aprenderiam a cada ano letivo. O guia explica as principais habilidades do currículo norte-americano e indica como os pais podem trabalhar aqueles conteúdos em casa para apoiar a aprendizagem dos filhos. Além disso, o documento traz ainda orientações sobre como conversar com o professor sobre o tema.

mão anotando em post-it amarelo durante oficina de produção de guia para entender a BNCC.

Para descontrair, o encontro começou com uma dinâmica: “quem é você na sala de aula?”. Entre fotos de personagens famosos, todos escolheram aquele com o qual se identificava como aluno. 

Pequenas fotos com personagens famosos: Hermione, da saga Harry Potter; Magali, da Turma da Mônica; Nino, de Castelo Rá-Tim-Bum.

Depois, tivemos um importante espaço de escuta. Nesse acolhimento, surgiram frases como:

O professor tem dificuldade de dar protagonismo para o aluno porque ele mesmo nunca foi protagonista.

As professoras não conhecem essas abordagens teóricas que baseiam a BNCC. Elas têm acesso, mas não sabem onde procurar.

O grande medo do professor é que a prática dele dê errado. Ele sente culpa.

Esse momento de apoio mútuo e vulnerabilidade entre os educadores foi essencial para evidenciar quais  são os desafios que aparecem no dia a dia. Pensando nessas e outras dores, nas próximas semanas você vai encontrar, aqui no Observatório, textos que respondem a essas questões. Enquanto isso, continue lendo o relato para descobrir tudo que aconteceu nos três dias de oficina.

professores sorridentes em momento de descontração durante dinâmica na oficina de produção de guia para entender a BNCC.

Após as trocas entre os participantes, o primeiro dia de oficina seguiu para a primeira atividade. Os oficineiros responderam em post-its como as professoras e professores veem os estudantes em cada fase escolar e o que eles precisam aprender. A partir desse exercício, de olhar para os alunos e alunas, cada grupo construiu uma persona. Ou seja, aqueles alunos que foram imaginados inicialmente, ganharam nome, família e uma história.

Professores desenvolver personas para representar alunos durante oficina de produção de guia para entender a BNCC.

Com o ponto de partida traçado, os grupos fizeram a leitura e o agrupamento das habilidades por semelhança, complementaridade e afinidade temática. Em seguida, criaram uma frase-resumo a partir das habilidades agrupadas.

O segundo dia também começou com um espaço especial de troca. Como o próprio nome já diz, a dinâmica Escutatória foi um exercício de escuta ativa e relacionamento entre pares. Aqui, lágrimas rolaram – e abraços também. 

Depois, mãos à obra, os grupos tiveram a oportunidade de exercitar os aprendizados da dinâmica ao conhecer o trabalho uns dos outros e checar se havia repetições ou conexão entre as etapas.

Munidos desse conhecimento mais macro da produção geral, os educadores atualizaram a persona com uma frase, refletindo como ela estava após o ciclo de aprendizagem. Além de revisitar o agrupamento das habilidades proposto por eles no dia anterior.

Professores colaboram em grupo na oficina de produção de guia para entender a BNCC.

Depois de dois dias intensos de muita dedicação, no terceiro e último chegou a hora de apresentar os trabalhos! Para isso, recebemos grandes especialistas da área da educação para conhecer a produção. Contamos a parceria da nossa rede para as devolutivas. Estiveram presentes representantes da Undime (União dos Dirigentes Municipais de Educação)f, do Consed (Conselho Nacional de Secretarios da Educação), da UNICEF , do Instituto Reúna, do Elos Educacional, do Instituto Ayrton Senna, do Vozes da Educação, do Ensina Brasil, do Grupo Mathema, da Fundação Bracell, Consec (Conselho Municipal de Secretários de Educação das Capitais) e da Fenep (Federação Nacional das Escolas Particulares). Como em uma feira de ciências, os especialistas passaram em todos os grupos para conhecer as Personas, entender a lógica do processo e os principais resultados obtidos.

Especialista analisa materiais produzidos durante a oficina de produção de guia para entender a BNCC.

Por fim, em plenária circular com todos os educadores, os especialistas apontaram os pontos de melhorias e parabenizaram pelo importante trabalho. Afinal, entender a BNCC é um caminho importante para a garantia dos direitos de aprendizagem para todos e todas.

O material ainda não foi finalizado, mas já estamos orgulhosos de dar mais um passo em direção à educação que acreditamos. Continue acompanhando os nossos canais e saiba do lançamento do Guia em primeira mão!

Leia também: Por que a Conae é importante para a educação na próxima década?