Análises e práticas > Pesquisas

Pesquisa realizada com 2 mil estudantes mostra percepção sobre Novo Ensino Médio

Novo Ensino Médio Currículos do EM Análises e contextos

A pesquisa “Novo Ensino Médio na visão dos estudantes” revela a percepção dos jovens com a escola e os desafios para o futuro. A iniciativa foi encomendada pelo Serviço Social da Indústria (SESI) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) e realizada pelo Instituto FSB Pesquisa.

Foram ouvidos 2 mil alunos de escolas da rede pública de São Paulo e do Mato Grosso do Sul e da rede SESI. Metade deles são estudantes do currículo tradicional – de maneira proporcional ao Censo Escolar nos critérios estado, condição do município e rede de ensino – e mil alunos são aqueles que já estão experimentando a nova estrutura curricular prevista na Lei 13.415/2017, do Novo Ensino Médio (NEM). Os resultados foram divulgados em outubro de 2021.

Conheça os destaques da pesquisa

Avaliação do Novo Ensino Médio e do modelo tradicional

Os estudantes que estão cursando o novo modelo de Ensino Médio o avaliam como positivo, se dizem mais satisfeitos com a escola e otimistas com o futuro profissional.

  • 61% dos alunos que estão cursando o Novo Ensino Médio avaliam positivamente o modelo. Os jovens dizem que a escola “facilita o primeiro emprego devido à capacitação” e que o currículo traz mais conhecimento e é compatível com área profissional desejada.
  • Para 73% desses estudantes, o Novo Ensino Médio tem potencial grande ou muito grande para melhorar a qualificação profissional do Brasil.
  • 77% dos alunos do Novo Ensino Médio estão satisfeitos com a escola e 78% dizem estar otimistas com o futuro profissional.
  • Entre os estudantes do currículo tradicional, os dados são de 70% e 68%, respectivamente.
Itinerários formativos e projeto de vida

Das mudanças estabelecidas na reforma do Ensino Médio, a integração da Formação Técnica e Profissional (FTP) e a inclusão de atividades voltadas para o Projeto de Vida do estudante são as mais bem avaliadas. Parcela significativa dos jovens acredita que, com o Novo Ensino Médio, as escolas brasileiras irão formar jovens mais preparados para os desafios e as demandas do mercado de trabalho.

Em ambos os grupos de entrevistados, o itinerário de FTP é o mais escolhido entre as cinco opções – seguido por Linguagens, Ciências Humanas, Ciências da Natureza e Matemática. Segundo os adolescentes, a escolha dos itinerários se baseia no ingresso no mercado de trabalho, na afinidade com o curso superior e no desenvolvimento de competências específicas em uma área. O Itinerário Formativo de Formação Técnica e Profissional (FTP) é o preferido entre cinco opções, atraindo 26% dos estudantes.

O que define a escolha dos jovens

Preferências entre os Itinerários formativos

As expectativas com o Novo Ensino Médio

As atitudes e expectativas com o Novo Ensino Médio são positivas para os estudantes, tanto para os que já cursam no novo modelo ou não. A pesquisa revela ainda o alto interesse dos estudantes pelo ensino superior. Por outro lado, a necessidade de trabalhar e a falta de interesse ameaçam a continuidade dos estudos – o trabalho é uma realidade para boa parte dos entrevistados.

Para 6% dos estudantes do Ensino Médio tradicional, a insatisfação com a metodologia de ensino seria um motivo para sair da escola, problema que não foi reportado pelos estudantes do Novo Ensino Médio:

Estudantes concordam totalmente ou em parte que o Novo Ensino Médio irá:

Preocupações e dificuldades

Para 6% dos estudantes do Ensino Médio tradicional, a insatisfação com a metodologia de ensino seria um motivo para sair da escola, problema que não foi reportado pelos estudantes do Novo Ensino Médio.

Precisar trabalhar é o principal motivo para cerca de um terço dos estudantes cogitarem deixar a escola. Veja outros dados indicados pelos jovens na pesquisa:

Dados em destaque no vídeo

Veja a apresentação da pesquisa durante o 3º Seminário Internacional de Educação, que teve como tema “Novo Ensino Médio – engajamento, formação e avaliação”, promovido por SESI e Canal Futura: